Jogue fora essa preguiça de viver!

Quem nunca deixou as responsabilidades de lado e passou um dia inteiro sem fazer nada que atire a primeira pedra (algo me diz que não teremos um apedrejamento hoje). A preguiça é uma sensação normal, às vezes gostosa, mas frequentemente problemática. Eu já tive péssimas experiências e perdi muita coisa porque simplesmente não estava com vontade de  fazer nada.

Algumas pessoas focam seus esforços somente naquilo que gostam e deixam de lado todo o resto. Outras (como eu, infelizmente), têm preguiça até de fazer o que gostam. Isso não é uma piada: muitas vezes a falta de dedicação e a procrastinação tornam praticamente impossível alcançar nossas metas, objetivos e, consequentemente, sonhos.

Infelizmente eu ainda não consegui encontrar a fórmula perfeita para me livrar dessa praga. No entanto, deixo aqui alguns fatos para pensar no momento em que esse sentimento horrível estiver mais forte:

1 – “Só mais dez minutos”, “Amanhã eu faço”, “Só mais um dia”. Não. Não é. Você sabe que isso não é verdade, então pare de enganar a si mesmo. Ninguém nunca chegou a lugar nenhum fazendo isso.

2 – A dor de ter que se esforçar para fazer alguma coisa é MUITO pequena comparada a dor da culpa de não ter feito nada.

3 – A sensação de dever cumprido é uma das mais gratificantes que existem. Senti-la com frequência aumenta (e muito) a felicidade.

Vamos jogar a preguiça fora e fazer nossa vida sair do lugar!!!

Cansei de você

Eu me afastei de você porque não concordo com suas atitudes, com sua forma de pensar. Me afastei porque acredito que minha vida não é tão importante para você quanto a sua é para mim. Me afastei porque não vejo reciprocidade, porque me sinto sozinha. Por que insistir nisso que me machuca tanto?

Eu me afastei sim, porque percebi que minha presença não faz diferença mais. Não sou importante. Acho que nunca fui. Nada do que eu falo, nada do que eu faço é bom o bastante. Dói perceber isso e dói admitir o que eu demorei tanto tempo para perceber.

Parabéns! Você conseguiu! Eu finalmente desisti de você. Pode ficar feliz agora. Não aceitarei mais suas migalhas, sua indiferença, não aceitarei menos do que eu mereço. É hora de mudar o jogo. Sim, agora eu sei o meu valor, eu sei quem eu sou e aprendi a defender a mulher que me tornei.

Já passei por coisas piores na minha vida. Já fui ferida de muitas maneiras diferentes. Quer saber? Eu sobrevivi, sobrevivi a todas elas. Sobreviverei a você também.

Eu cansei de você, por isso me afastei. Não vou voltar atrás.

Para transformar sonhos em realidade

Nos últimos tempos eu tenho ganhado aversão ao termo “sonho”. Não por conta da palavra em si, mas pelo sentido que ela carrega entre a maioria das pessoas: um equivalente de devaneio, utopia, algo completamente distante da realidade. Devido a isso, eu tenho feito alguns exercícios para fazer com que meus sonhos deixem representar o mundo das ideias:

1 – Nada é impossível e tudo é normal

Artista famoso, prêmio Nobel, agente da Interpol, astronauta, herói militar. O imaginário popular, influenciado pela grande mídia, nos leva a crer que essas atividades sejam fantásticas práticas místicas e que exigem um “algo” que poucos escolhidos possuem. O que eles omitem é que essas profissões são, apenas, profissões. Exigem planejamento, qualificação, disciplina, perseverança e força de vontade em uma dose acima da média, é claro, mas não são proezas metafísicas.

2 – Tchau sonhos… Olá, planos!

Ao invés de sonhar acordado pensando como você queria ser/ter tal coisa, por que não começar a planejar as rotas possíveis para chegar a esse destino? Substituir o “Meu sonho é aprender isso” por “Eu quero, e vou, aprender isso”? É claro que a vida nem sempre é simples, que dirá fácil, mas isso não pode ser pretexto para não sair do lugar.

3 – Atingindo metas

Depois de montar os planos é correto e desejável dividi-los em metas, pequenos objetivos para serem alcançados. Isso é muito importante porque ajuda a desfrutar do processo e consequentemente reduzir o desânimo. Sem contar que é muito bom ver as coisas finalmente saindo do lugar, ainda que seja aos poucos.

Importante – Nenhuma experiência é desperdício

É claro que a teoria sempre é mais fácil do que a prática. Para quem tem a mente viciada em uma postura passiva diante da vida a mudança é dolorosa, lenta e cansativa. Mas mesmo sofrendo algumas derrotas é importante perseverar porque isso vai render bons frutos futuros.

Não digo que todos vamos alcançar plenamente nossos sonhos “impossíveis” (quem me dera poder oferecer essa garantia). Porém, tenho certeza que todos podemos nos tornar pessoas maduras e felizes. Boa sorte na sua jornada!!!

Todo mundo tem problemas

Esses dias descobri um blog sobre cosméticos coreanos e fiquei alucinada lendo todos os textos publicados para entender melhor esse universo. Os textos são ótimos, assim como as imagens e o layout. E então me deparei com o post publicado mais recentemente, no qual a autora dizia que estava dando um tempo no blog por motivos pessoais. Após uma breve explicação, ela contou que a sua irmã havia se matado.

Tudo isso me fez pensar que nós realmente não sabemos o que o outro está passando, o inferno que ele está enfrentando. Quem diria que do outro lado da tela estaria alguém passando por um problema pessoal tão difícil. Esse é um sintoma comum dessa era moderna líquida e digital.

Me refiro a ilusão que criamos sobre uma pessoa observando apenas seu site, seu Facebook, as fotos do seu Instagram. Vemos apenas retratos pontuais da vida de alguém, desejando ser como ele/ela, mas não conseguimos imaginar que do outro lado existe um ser humano que também sofre, que também tem medo e que, assim como todo mundo, também precisa enfrentar seu próprio Golias.

O ponto chave é que todo mundo tem problemas. Eu sei que isso é meio óbvio, que é um assunto meio batido, mas é que ás vezes eu esqueço. Me pego desejando uma vida que não existe ou, pior ainda, esqueço que do outro lado da tela existe uma pessoa de carne e osso igual a mim. Seria esse uma doença dos tempos modernos? Sou eu que falho em minha leitura de mundo, em ser mais empática? Os dois?

Não se deixe ser iludido pelas fotos bonitas e os textos bem produzidos. Não idealize ninguém. Se inspire nas outras pessoas, agregue a sua vida o que te fará bem, mas não faça disso sua obsessão. Valorize sua vida, valorize até os seus problemas, busque solucioná-los, mas sempre por você. Acredite, a grama do vizinho não é tão verde quanto você pensa.

Sobre a moça do blog que citei no começo do texto, espero, do fundo do meu coração, que você tenha conseguido ser forte o bastante, para superar a dor de perder alguém.

Pauta de domingo: Competição

Hoje eu vou falar de disputas e rivalidade, mas não em eventos específicos. Não. Vou falar sobre as competições do dia-a-dia, daquela disputa que travamos de forma inconsciente (ou não) com nossos amigos, colegas e familiares.

Todo mundo já deve ter passado, ou ao menos presenciado, conversas que eram para ser amigáveis mas de repente se tornam uma disputa velada. Quem trabalha mais, quem tem mais planos, quem vai em mais festas, quem tem o filho mais esperto (mãe adora constranger a gente). E no fim das contas o momento que era para ser relaxante vai por água abaixo.

Eu acredito que nós devemos desenvolver plenamente todo o nosso potencial em tudo aquilo que nos propusermos a fazer e que a competição pode dar um empurrãozinho nisso. O problema é que as pessoas dão o sangue e prejudicam suas vidas pessoais para conseguir algo que elas nem sabem se querem realmente, só para ter algo “pra esfregar na cara de fulano”.

É muito bom se inspirar em outras pessoas para querer ser melhor, mas não é saudável querer superá-las a qualquer custo. Tenha por meta ser melhor do que você mesmo. Todos os dias.

Somos instantes

Somos instantes, mas mesmo assim nos comportamos como se a vida fosse um loop infinito, como se não houvesse consequências ou um preço a ser pago. Por que se preocupar se amanhã haverá outro dia, outra chance?

Sou um instante, mas continuo presa na armadilha que me contaram, aquela história de que sempre haverá um novo começo. Nisso, deixo as oportunidades passarem, deixo as pessoas irem embora. Amanhã eu tento outra vez.

Sou feita de vários instantes, mas fui eu mesma que me prendi na ilusão do recomeço. A questão é que o tempo está passando. Ele consegue ser bondoso e cruel na mesma proporção. Não olhe para trás, mas tenha consciência do que te resta pela frente.

Hoje, eu finalmente decidi mudar. Talvez eu tenha entendido a brevidade da vida e por isso estou tentando preenchê-la, transformá-la. Não estou satisfeita de como estou agora.

Você é um instante. Não demore muito para tomar suas decisões.

Mania de pensar

De vez em quando eu me pego pensando em algumas coisas que a maioria das pessoas (creio eu) pensaria que é besteira ou maluquice. Uma delas é o auto-questionamento. Por alguma razão desconhecida eu questiono cada sentimento ou pensamento que passa pela minha cabeça. Por um lado isso me estimula a buscar a melhora, por outro às vezes eu acho que vou ficar louca.

Durante esses “rompantes” eu experimentei enfrentar meus sentimentos negativos ao invés de criá-los. E os resultados foram ótimos! Acho que aquela história de que “nós criamos a maior parte dos nossos sofrimentos” finalmente está fazendo sentido para mim.

Comecei a entender que momentos incômodos acontecem e que eles não significam que eu não tenha valor ou que minha vida seja uma droga. Percebi que o life style perfeito de conto de fadas é uma ilusão, que o dia-a-dia tem seus inconvenientes e que nada disso torna a vida menos bela. Entendo (ou pelo menos tento entender) que todos têm problemas, uns mais e outros menos, e isso não quer dizer que a pessoa esteja recebendo uma punição ou algo assim. Tudo na vida tem seu lado bom e ruim. E isso é normal.

Se mais alguma mente auto-questionadora está lendo esse texto, sugiro uma crítica da crítica. Uma análise sincera de suas críticas a si mesmos e ao mundo.

5 músicas para levantar sua autoestima

Se tem algo que todo mundo ama é música. Acredito que seja unanimidade. Estive pensando em músicas cujas letras me inspirassem a me aceitar e me sentir melhor comigo mesma. Sabe aqueles dias de bad que todo mundo tem? Seu cabelo não está bom, nenhuma roupa presta, você se olha no espelho e se sente a pior das pessoas? Ao invés de ficar isolada ouvindo músicas estilo Lana Del Rey, tente ouvir algo que te anime. Sempre melhoro quando escuto músicas. Pensando nisso, surgiu a ideia da lista, que segue abaixo:

(P.S.: Como esse blog ainda não comporta vídeos, o nome das músicas irá direcioná-lo para o vídeo no Youtube, então é só clicar).

1- Alessia Cara – Scars to your beautiful

Simplesmente viciada nessa música!!! O álbum é de 2015, mas a música estorou mesmo esse ano e é praticamente um hino da autoaceitação. Além disso, ainda critica essa procura louca por seguir um padrão ideal de beleza. Você é linda(o) do jeito que é! Segue o trecho:

“But, there’s a hope that’s waiting for you in the dark
You should know you’re beautiful just the way you are
And you don’t have to change a thing
The world could change its heart
No scars to your beautiful
We’re stars and we’re beautiful”

alessia cara

2- Beyoncé – Pretty Hurts

Outra música lacradora no quesito crítica a padrões e a ditadura velada da beleza. Beyoncé é uma personalidade do mundo pop que lança tendências e possui uma enorme influencia, por isso acho meio contraditório alguém como ela lançar uma música assim, já que ela mesmo influencia nessa busca pelo corpo ideal. (Já peço perdão aos fãs, minha intenção não é ofender, mas fazer pensar no que há por trás da indústria do entretenimento. Amo as músicas dela!). Enfim, a música é ótima e a mensagem é linda!

“Pretty hurts
We shine the light on whatever’s worse
Perfection is the disease of a nation
Pretty hurts
We shine the light on whatever’s worse
Tryna fix something
But you can’t fix what you can’t see
It’s the soul that needs the surgery”

beyonce

3- Cristina Aguilera – Beautiful

Essa música é antiga… O álbum é dos idos 2002 e acho que todo mundo já deve ter ouvido, então essa música é outro hino! A letra continua a inspirar e a música tem aquela batida lenta que te envolve. A mensagem é que não importa o que os outros digam ou pensem, você é lindo(a)!

“You are beautiful, no matter what they say
Words can’t bring you down, oh no
You are beautiful in every single way
Yes, words can’t bring you down, oh no
So don’t you bring me down today.”

cristina

4- Lady Gaga – Born this way

Sim, a diva do pop está entre nós! Acho ela meio louca (não necessariamente num sentido ruim), mas gosto dessa música, que é bem animada e fala sobre amor próprio e aceitação. Essa tinha que vim para a lista!

“I’m beautiful in my way
‘Cause God makes no mistakes
I’m on the right track, baby I was born this way

Don’t hide yourself in regret
Just love yourself and you’re set
I’m on the right track, baby
I was born this way (Born this way)”

5- Marvin Gaye & Tammi Terrell – Ain’t no Mountain High Enough

Essa música é um clássico de 1967, mas só conheci esse ano ao escutar a trilha sonora do filme Guardões da Galáxia Vol. 1 (que aliás é ótimo e recheado de clássicos!). Na verdade, essa música fala sobre superar as dificuldades para chegar ao amor da sua vida. Sim, é bem romântica, como as músicas antigas costumam ser. A questão é que me sinto muito bem escutando essa música, dá vontade de sair dançando pela sala, recomendo!

“‘Cause baby there ain’t no mountain high enough
Ain’t no valley low enough
Ain’t no river wide enough
To keep me from getting to you babe”

aint no mountain high enough

Tentei colocar músicas animadas e que trazem reflexão para a lista. É claro que essa lista poderia ser enooooorme, incluindo outros gêneros musicais, porque o que não falta é música nesse mundão, então essa ela é só uma pequena amostra sobre o tema. Espero que tenham gostado!

 

Estranhando a alegria

Ultimamente eu tenho reparado em algo extremamente triste: eu fiquei tão acostumada a me sentir para baixo que acho a felicidade estranha. Pode soar meio contraditório, mas a verdade é que nós acabamos nos acostumando com a melancolia. Os sentimentos negativos passam a ser considerados como parte inerente da nossa existência e nós nos esquecemos de quem somos.

Passamos dias pesquisando, sonhando e praticando para obter a nossa felicidade e no final ficamos assustados com ela. “Está tudo bem mesmo ou será só coisa da minha cabeça?”, “É real ou um sentimento momentâneo?”, “Quanto tempo vai durar?”. É como se nossa amargura de espírito fosse tão grande que o bem-estar se tornou uma espécie de extraterrestre.

Essa questão não é fácil de se resolver. Eu tento lidar com ela da mesma maneira que venho tentando lidar com outros problemas: aceitando a realidade como ela é. Isso não significa se acomodar, mas entender como as coisas funcionam e lidar com isso da melhor maneira possível. E a realidade é: minha vida não é um desastre completo e essa felicidade de conto de fadas não existem.

Desse modo eu não só percebo que coisas ruins acontecem (nem sempre com um motivo específico) como vejo que as fases de felicidade também fazem parte da vida e devemos desfrutá-las ao invés de perder tempo sentindo medo.

Sobre iniciar novos ciclos

A vida é feita de ciclos, fases, períodos. Tudo é transitório, nada é permanente, mas mesmo assim nos apegamos as pessoas, aos lugares, a sensação de conforto. Às vezes é difícil seguir em frente, se desapegar, mas é preciso, afinal não podemos perpetuar todas as coisas. A própria vida é finita, que dirá o resto.

Falo tudo isso porque eu mesma sou uma dessas pessoas muito apegada a tudo, não a coisas materiais especificamente, mas a pessoas, situações, sentimentos, provavelmente porque sou bem medrosa, e sei que isso não é bom.

Contudo, creio que no decorrer da vida, e de acordo com as demandas que aparecem, nós amadurecemos, mudamos nossos pensamentos, nosso comportamento, e aprendemos a lidar com os fins e os inícios, com o medo de recomeçar e com o desapego.

A questão é: Tenha coragem para encarar os novos desafios que virão, aprenda com as mudanças e tente enxergar o lado bom de todas as situações. Não tenha medo do recomeço. Coisas boas estão por vir!